arquivo

Agenda

Neste domingo, a partir das 9h, a Associação Fotoativa realizará o Pinhole Day Belém 2012, um dia inteiro dedicado à fotografia pinhole. As inscrições podem ser feitas no dia, no próprio Fórum Landi, onde as atividades acontecerão. Todos são muito bem vindos.

Mais informações, através do email: a.fotoativa@gmail.com

Anúncios

Com reflexões sobre o marxismo e sua relação conceitual com o contexto atual da sociedade, o livro Do marxismo ao pós-marxismo, do sociólogo e professor Göran Therborn, será lançado nesta sexta feira, 13, no Auditório José Vicente Miranda Filho, do Instituto de Ciências Jurídicas (ICJ) da Universidade Federal do Pará, (UFPA), a partir das 17h. O evento será aberto ao público.

O lançamento será realizado pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Propesp), em parceria com a Pró-Reitoria de Relações Internacionais (Prointer), a Editora da UFPA (Edufpa) e o Boitempo Editorial. O evento será aberto pelo pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, professor Emmanuel Tourinho.

Na publicação, Göran busca entender as mudanças sociais e intelectuais ocorridas entre os séculos XX e XXI, analisa o marxismo deste período e tenta situar as práticas da esquerda e seus conceitos no mundo contemporâneo. Em sua análise, o sociólogo questiona se o marxismo ainda é relevante e chega à conclusão de que seu futuro é impreciso. Por outro lado, segundo Göran, o pensamento marxista ainda há muito a oferecer para nossa época.

[Fonte: Ascom/UFPA]

O Professor Fábio Castro, que participará de uma conferência com a Profa. Marise Morbach e o próprio Therborn após o lançamento, publicou três excelentes posts sobre a obra do sueco. Não deixe de lê-los antes de comparecer ao evento: o primeiro, o segundo e o terceiro.

Uma palhinha:

(…) após a crise do petróleo, no começo dos anos 1970, abriu-se espaço para um recuo das esquerdas e um avanço, muito rancoroso, da direita. Esse recuo aconteceu porque os governos de esquerda, notadamente na Europa do bem-estar social, não conseguiram, de acordo com Therborn, responder satisfatoriamente ao impasse gerado pela crise de empregabilidade que se sucedeu à crise do petróleo.

Bom, também houve motivos localizados, de índole regional: o aniquilamento da esquerda árabe, por Israel, na guerra de 1967 e a substituição do populismo latino-americano pela ditaduras pró-EUA, por exemplo.

Tudo isso, operando em conjunto, produziu uma espécie de recuo moral das esquerdas e o conseqüente avanço do neo-liberalismo. E, nesse cenário, com causas próprias, o colapso do Estado soviético, com suas conseqüências – dentre as quais, como sabemos, a auto-proclamada “vitória”, pelos EUA, da guerra fria e, também como decorrência disso, o processo militar norte-americano, cínico como o sabemos, que hoje vamos acompanhando.

[Fonte: Hupomnemata]

Serviço:
Conferência de lançamento do livro Do marxismo ao pós-marxismo do sociólogo e professor Göran Therborn.
Data: 13/4
Hora: a partir das 17h
Local: Auditório José Vicente Miranda Filho, do Instituto de Ciências Jurídicas (ICJ) da Universidade Federal do Pará (UFPA).
Entrada Franca.

Formação de recursos humanos altamente qualificados nas melhores universidades e instituições de pesquisa estrangeiras, possibilitando a internacionalização da ciência e tecnologia nacional, ao estimular estudos e pesquisas de estudantes brasileiros de graduação e pós-graduação no exterior. Este é o objetivo principal do programa Ciência Sem Fronteiras, que busca promover a consolidação, expansão e internacionalização da ciência e tecnologia, da inovação e da competitividade brasileira por meio do intercâmbio e da mobilidade internacional. A iniciativa é fruto de esforço conjunto dos Ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e do Ministério da Educação (MEC), por meio de suas respectivas instituições de fomento – CNPq e Capes –, e Secretarias de Ensino Superior e de Ensino Tecnológico do MEC.

“Hoje, o maior desafio do Brasil é de cunho tecnológico. O país vive uma situação diferente dos outros, até agora não está sendo atingido pela crise em que vive o mundo todo. Se nós não tivermos soluções criativas e inovadoras, porém, essa crise vai acabar batendo em nossa porta. A única saída que temos é a criatividade, através do conhecimento e da ciência. O Ciência Sem Fronteiras é um do mais importantes programas do Governo Federal, pretende conceder bolsas sanduíches a 75 mil estudantes até o final do mandato da Presidente Dilma. É o Brasil correndo atrás para reverter seu gap tecnológico”, afirmou o Pró-Reitor de Relações Internacionais e Coordenador do Fórum Landi, Flávio Nassar.

Pois bem. A Universidade Federal do Pará (UFPA), por meio da Pró‐Reitoria de Relações Internacionais (Prointer), Pró‐Reitoria de Pesquisa e Pós‐Graduação (Propesp) e Pró‐Reitoria de Ensino de Graduação (Proeg), vêm a público divulgar o edital pra seleção de alunos de graduação da UFPA, no âmbito do Programa Ciência sem Fronteiras 2012. O edital possibilita o chamado “sanduíche”, estágio em instituições estrangeiras.

As inscrições irão até 15 de janeiro de 2012, pelo site do programa. Pra saber mais sobre requisitos, áreas contempladas e ter acesso ao edital completo, é só clicar aqui.

Lu Guedes em auto-retrato

“Depois do álbum pronto, o caminho é árduo. Difundi-lo, ainda hoje, é complicado. Fazer com que chegue às pessoas e que elas absorvam o trabalho em meio a milhares de informações e novidades a cada instante. Não me considero uma artista que alcançará uma massa de gente [se rolar, ótimo], mas fico muito feliz quando alguém valoriza minhas músicas, compartilha em seu blog, como a Monique Malcher, que escutou o disco curtindo uma chuvinha. Ou mesmo no carro, indo pra casa. Outro dia, fiquei sabendo que, através da música ‘Onde moro’, uma moça se emocionou e foi tomar banho de igarapé no fim de semana. O processo de criação e produção foi lento, o alcance às pessoas também, mas a intensidade desse alcance é que interessa”.

Quem conta, canta e encanta é a compositora paraense Lu Guedes, que vem a público convidar meninos e meninas, jovens e idosos, enamorados e cotovelos doídos, a compartilhar da sinergia certamente proporcionada pelo show de encerramento da turnê 2011 de lançamento de seu álbum, EletrOrquestra, no palco do anfiteatro do Forte São Pedro Nolasco, na Estação das Docas, dia 22 de dezembro, às 20h. O ingresso vale um brinquedo novo ou usado, que será doado para uma criança da Ilha do Combú. Ou seja: quanto mais ingressos trocados, mais crianças felizes nesse Natal. Emoções a 220W.

Pra mais detalhes, clica aqui.

Com essa escala musical, o compositor Claudio Monteverdi iniciou uma de suas maiores obras, na Itália do Século XVII: a ópera L’Orfeo. Passados 400 anos, as cortinas do Theatro da Paz se abriram e aquelas mesmas notas não mais saíram do instrumento de um italiano, mas de violinos, trompetes e gargantas paraenses. A composição atravessou o Atlântico e foi interpretada pela camerata da Escola de Música da Universidade Federal do Pará (EMUFPA) e pelo madrigal da UEPA. O evento fez parte do “Momento Brasil-Itália”, que celebrou o intercâmbio entre as duas nações, e da 38º edição do Encontro de Artes de Belém (ENARTE).

Como assinalou o Pró-reitor de Relações Internacionais da UFPA e Coordenador do Fórum Landi, professor Flávio Nassar, não é de hoje que a relação entre brasileiros e italianos dá bons frutos: “A UFPA está satisfeita de participar do ENARTE e poder incluir-se na grande festa que é o ‘Momento Brasil-Itália’. Só temos a agradecer pela grande contribuição que a Itália deu pra cultura dessa cidade. Basta observar a paisagem: a arquitetura de Belém está repleta de obras de Landi, que deixou sua marca nas igrejas e outras edificações no século XVIII”.

Diz-se que a ópera é a arte do encontro. Encontro harmônico e pulsante entre a música, a poesia, o teatro e a dança. Nada melhor do que essa metáfora pra expressar a comunhão entre povos tão distantes e tão próximos ao mesmo tempo e, no mais, o clima que regeu a noite de quarta.

O Embaixador da Itália, Gherardo La Francesca, estava presente e parece ter sido contagiado pelo espírito: “Itália e Brasil sempre mantiveram relações amistosas, de amizade, de complementaridade. Eu posso, por experiência própria, dizer o porquê: italianos se sentem em casa quando vêm pro Brasil. Isso facilita, faz com que o artista italiano expresse o melhor de sua arte, como fez Landi ao chegar aqui”.

Um século antes de Antonio Landi pisar em terras amazônicas, Monteverdi compunha L’Orfeo, que traduz aos palcos o mito grego de Orfeu. Três séculos depois, no abrir das cortinas, o maestro francês Philippe Forget deu vida nova ao espetáculo com um simples movimento de mãos. Cenografia e figurino, com uma proposta minimalista (de Claudio Rego de Miranda e Hélio Alvarez, respectivamente), apresentavam tecidos esvoaçantes que adquiriam formas várias de acordo com a iluminação, determinante na atmosfera do espetáculo, desde o étereo campo com pastores e seus tons claros de verde e azul, até o vermelho incediante de terras dignas do inferno de Dante (não por acaso, outro italiano).

A escolha dos palcos do Theatro da Paz representou outro encontro entre Itália e Brasil: “Além da arquitetura do prédio, a pintura no teto foi feita pelos italianos D’Angelis e Capranezi”, lembrou Nassar.

De um lado, agradecimentos. Do outro, tanto quanto: “Moro faz dois anos no Brasil e ainda não sei falar português fluentemente, mas posso dizer duas palavras: muito obrigado. Obrigado ao Brasil e ao Pará”, sintetizou La Francesca. E que mais bons frutos possam vir do contato entre brasileiros e italianos, seja na música, seja na arquitetura.

[Texto e fotos: Caroline Soares]

Parte das comemorações do Momento Itália-Brasil, evento para celebrar as relações culturais entre dois países, será apresentada hoje a partir das 20h, no Teatro da Paz, a Ópera L’Orfeo.
Entrada franca.

[…]

L’Orfeo é uma criação de Claudio Monteverdi e retrata o mito de Orfeu, personagem grego que tentou resgatar sua amada Eurídice do Tártaro, o inferno grego. Com entrada franca, será regida pelo maestro frances Felipe Fourè que vem a Belém especialmente pra participar do evento,  nascido em 1970, é Regente coral e orquestral , além de ser compositor de música vocal. Diplomado em fagote e Regência coral e orquestral. Atuou como Fundador e Diretor da Orquestra Regional Jovem da Borgonha de 1990 a 2001. Foi Regente Associado da Camerata da Borgonha de 2004 até 2009.

Veja fotos e ficha técnica do espetáculo, continue lendo no blog do Prof. Flávio Nassar.
%d blogueiros gostam disto: