arquivo

UFPA 2.0

Com reflexões sobre o marxismo e sua relação conceitual com o contexto atual da sociedade, o livro Do marxismo ao pós-marxismo, do sociólogo e professor Göran Therborn, será lançado nesta sexta feira, 13, no Auditório José Vicente Miranda Filho, do Instituto de Ciências Jurídicas (ICJ) da Universidade Federal do Pará, (UFPA), a partir das 17h. O evento será aberto ao público.

O lançamento será realizado pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Propesp), em parceria com a Pró-Reitoria de Relações Internacionais (Prointer), a Editora da UFPA (Edufpa) e o Boitempo Editorial. O evento será aberto pelo pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, professor Emmanuel Tourinho.

Na publicação, Göran busca entender as mudanças sociais e intelectuais ocorridas entre os séculos XX e XXI, analisa o marxismo deste período e tenta situar as práticas da esquerda e seus conceitos no mundo contemporâneo. Em sua análise, o sociólogo questiona se o marxismo ainda é relevante e chega à conclusão de que seu futuro é impreciso. Por outro lado, segundo Göran, o pensamento marxista ainda há muito a oferecer para nossa época.

[Fonte: Ascom/UFPA]

O Professor Fábio Castro, que participará de uma conferência com a Profa. Marise Morbach e o próprio Therborn após o lançamento, publicou três excelentes posts sobre a obra do sueco. Não deixe de lê-los antes de comparecer ao evento: o primeiro, o segundo e o terceiro.

Uma palhinha:

(…) após a crise do petróleo, no começo dos anos 1970, abriu-se espaço para um recuo das esquerdas e um avanço, muito rancoroso, da direita. Esse recuo aconteceu porque os governos de esquerda, notadamente na Europa do bem-estar social, não conseguiram, de acordo com Therborn, responder satisfatoriamente ao impasse gerado pela crise de empregabilidade que se sucedeu à crise do petróleo.

Bom, também houve motivos localizados, de índole regional: o aniquilamento da esquerda árabe, por Israel, na guerra de 1967 e a substituição do populismo latino-americano pela ditaduras pró-EUA, por exemplo.

Tudo isso, operando em conjunto, produziu uma espécie de recuo moral das esquerdas e o conseqüente avanço do neo-liberalismo. E, nesse cenário, com causas próprias, o colapso do Estado soviético, com suas conseqüências – dentre as quais, como sabemos, a auto-proclamada “vitória”, pelos EUA, da guerra fria e, também como decorrência disso, o processo militar norte-americano, cínico como o sabemos, que hoje vamos acompanhando.

[Fonte: Hupomnemata]

Serviço:
Conferência de lançamento do livro Do marxismo ao pós-marxismo do sociólogo e professor Göran Therborn.
Data: 13/4
Hora: a partir das 17h
Local: Auditório José Vicente Miranda Filho, do Instituto de Ciências Jurídicas (ICJ) da Universidade Federal do Pará (UFPA).
Entrada Franca.

Flávio Nassar por Octávio Cardoso

Já houve outras tentativas de categorizar o patrimônio de Belém. A primeira, seria transformar o centro histórico em patrimônio cultural da humanidade, a segunda, aproveitar a diversidade e transforma-la em paisagem histórica. Nenhuma apresentou sucesso. A razão principal do fracasso diz respeito ao fato de o centro histórico encontrar-se bastante modificado. A arquitetura histórica está descaracterizada. A unidade é um dos elementos fundamentais cobrados pela Unesco para conceder à cidade o título. Mesmo se houvesse um projeto de restauração e revitalização do centro histórico, não seria um processo fácil. Daí a nossa alternativa. Uma estratégia que permite um recorte dentro da cidade e só é possível porque houve uma reformulação recente na legislação, permitindo que pontos isolados possam ser transformados em patrimônio. Vimos nessa alteração a possibilidade de alavancar Belém nesse processo de patrimônios da humanidade.

Aos que ainda não leram a entrevista com o Prof. Flávio Nassar no Diário do Pará, por favor, não deixem ler aqui. Vale muito a pena, cada palavra.

Haroldo de Campos

O polêmico post do professor Flávio Nassar (Pró-reitor em flagrate delito desrespeita direito autoral), deu o que falar.

A resposta ao email pessoal de Paulo Vergolino, produtor executivo da amostra “Oswald Goeldi: Poesia Gravada”, veio ontem (19/01), e o desabafo do Pró-Reitor, você pode ver aqui.

Formação de recursos humanos altamente qualificados nas melhores universidades e instituições de pesquisa estrangeiras, possibilitando a internacionalização da ciência e tecnologia nacional, ao estimular estudos e pesquisas de estudantes brasileiros de graduação e pós-graduação no exterior. Este é o objetivo principal do programa Ciência Sem Fronteiras, que busca promover a consolidação, expansão e internacionalização da ciência e tecnologia, da inovação e da competitividade brasileira por meio do intercâmbio e da mobilidade internacional. A iniciativa é fruto de esforço conjunto dos Ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e do Ministério da Educação (MEC), por meio de suas respectivas instituições de fomento – CNPq e Capes –, e Secretarias de Ensino Superior e de Ensino Tecnológico do MEC.

“Hoje, o maior desafio do Brasil é de cunho tecnológico. O país vive uma situação diferente dos outros, até agora não está sendo atingido pela crise em que vive o mundo todo. Se nós não tivermos soluções criativas e inovadoras, porém, essa crise vai acabar batendo em nossa porta. A única saída que temos é a criatividade, através do conhecimento e da ciência. O Ciência Sem Fronteiras é um do mais importantes programas do Governo Federal, pretende conceder bolsas sanduíches a 75 mil estudantes até o final do mandato da Presidente Dilma. É o Brasil correndo atrás para reverter seu gap tecnológico”, afirmou o Pró-Reitor de Relações Internacionais e Coordenador do Fórum Landi, Flávio Nassar.

Pois bem. A Universidade Federal do Pará (UFPA), por meio da Pró‐Reitoria de Relações Internacionais (Prointer), Pró‐Reitoria de Pesquisa e Pós‐Graduação (Propesp) e Pró‐Reitoria de Ensino de Graduação (Proeg), vêm a público divulgar o edital pra seleção de alunos de graduação da UFPA, no âmbito do Programa Ciência sem Fronteiras 2012. O edital possibilita o chamado “sanduíche”, estágio em instituições estrangeiras.

As inscrições irão até 15 de janeiro de 2012, pelo site do programa. Pra saber mais sobre requisitos, áreas contempladas e ter acesso ao edital completo, é só clicar aqui.

 

 

Entrevista com o poeta, musicólogo, folclorista, Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal do Pará, doutor das coisas do mundo, o paraense Vicente Salles, concedida à equipe de comunicação do Fórum Landi. Belém, Pará: Dezembro/2011.

%d blogueiros gostam disto: